Tecnologia e empreendedorismo social: um “casamento” que dá certo

Causas sociais que utilizam inovações digitais têm crescido e foram destaque na principal premiação dessa área na América Latina

O uso da tecnologia para resolver problemas sociais tem se popularizado. Por meio de aplicativos e outras plataformas, empreendedores têm utilizado recursos digitais para encontrar soluções para a resolução de problemas nas comunidades em que vivem.

Prova disso é que essa união tem chamado atenção nas principais premiações da área, conseguindo, assim, trazer mais visibilidade para a causa e atrair investidores para que os projetos possam ser levados adiante. No último dia 7, foram inovações digitais o principal destaque no prêmio Empreendedor Social – maior concurso dessa área na América Latina.

O vencedor foi Carlos Pereira, 38 anos, analista de sistemas, criador do Livox, um negócio de impacto social voltado para o desenvolvimento de produtos, soluções, serviços e treinamentos, que viabilizam a inclusão e a acessibilidade de pessoas com deficiência no convívio familiar e social. Esse app foi desenvolvido em 2011, no Porto Digital, pólo de tecnologia e inovação, localizado em Recife (PE).

 

Outros destaques

  • Instituto Arredondar: Criado pela administradora Nina Valentini, 29 anos, o sistema visa colaborar para aumentar o levantamento de doações para ONGs. Ele faz a ponte entre doadores, varejistas e instituições beneficiadas, oferecendo ao consumidor a possibilidade de, ao final de uma transação na boca do caixa, arredondar a compra em benefício de instituições e causas.

 

  • Tá Na Hora: Desenvolvido por Michael Kapps, 27 anos, a plataforma de acompanha pacientes e faz monitoramento via SMS. O sistema tem auxiliado no controle de epidemias no Nordeste e no estudo clínico da vacina contra a Dengue. Umas das aplicações é para gestantes do SUS – acompanhamento oferecido pela ferramenta que compreende o período pré-natal e os primeiros meses após o nascimento da criança.

 

Fechar Menu